ENGEFROM ENGINEERING – Innovation, technology, investment projects and monitoring, consulting, construction management.

ENGEFROM ENGINEERING

Innovation, technology, investment projects and monitoring, consulting, construction management.

Our technical office with over 35 years of experience in engineering tract, conducts research and innovations, aimed at problem solving and situations encountered in everyday life of the population, and we also work in your project, work or business, with innovative solutions and challenging, always in pursuit of quality of our services and the total satisfaction of our customers.

On the site http://www.engefrom-engenharia.com | we have a small sample of our work and the versatility of our performances, research projects and planning. In the area of ​​urban planning, we have developed research in urban public transport area in general, modal bus and road safety, with the traffic of Brazilian cities.

In studies and longer-range projects, we perform complete projects and feasibility studies as well as those provided by federal, state and local legislation. EIA, EIV, RIMA, and all the environmental impacts that may cause imbalances in the processes and projects are studied and solutions offered the most diverse possible, by submitting mitigation measures.

ENGEFROM ENGINEERING, represented by Engineer José Antonio Gonçalves, contact we have e-mail: engefrom-engenharia@uol.com.br | engefrom@bol.com.br | We operate in works of urban infrastructure, rural infrastructure, sanitation, transport , traffic, street lights, water supply networks, rainwater collection networks, sewage collection networks, as well as its treatment plants – ETA – ETE – IT and its pumping stations, with several projects undertaken in the country.

Our phone +55 16 3024-8427 | TIM +55 16 98128-6332, contact, in addition to our emails.

ENGEFROM ENGINEERING, committed to quality and customer satisfaction as well as addressing and solving project for your company, your property, your industry.

RIBEIRÃO PRETO, STATE OF SÃO PAULO – BRAZIL.

Home page:

| http://www.engefrom-engenharia.com | http://www.engefrom-engenharia.com.br |

Site da ENGEFROM ENGENHARIA  |   Site da ENGEFROM ENGENHARIA 2014

Blog da Engefrom Engenharia:

Blog da Engefrom Engenharia | Blog da ENGEFROM ENGENHARIA no Tumblr | BLOG da Engefrom versão 2015 no tumblr

Anúncios

Caixa Econômica Federal reabre e amplia o Plano Empresário da Construção Civil

Com recursos de R$ 10 bilhões, iniciativa prevê financiamento do custo da obra diretamente à construtora

Fonte: Caixa Econômica Federal reabre e amplia o Plano Empresário da Construção Civil

FINANCIAMENTO LIBERADO PARA OBRAS E CONSTRUTORAS COM SERVIÇOS JÁ COMPLETOS ACIMA DE 80%.

Trocando em miúdos, a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL está fazendo propaganda no mercado imobiliário. Ao financiar apenas os 20% restantes da obra, o setor da indústria da construção civil irá amargar mais um período de falta de recursos para de fato empreender, construir e tirar do papel projetos de edificações comerciais e residenciais.

Imagine uma empresa construtora ter que fazer com seu próprio capital 80% da obra, e ter acesso apenas aos 20% restantes, em nada melhora a situação das construtoras, em grande maioria, de pequenas empresas nos quatro cantos em canteiros no Brasil.

Diante de tal notícia, acreditamos mais em propaganda da Caixa, para com a população que terá o incremento de R$ 10 bilhões no PLANO EMPRESÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL.

Outro fato, foi o aumento do limite para o financiamento global, que antes era de no máximo até R$ 1,5 milhões, passando para até no máximo R$ 3 milhões. Esses valores são interessantes para negócios de IMÓVEIS já prontos e disponíveis para venda nas cidades brasileiras.

Portanto, temos uma notícia que cabe melhor para quem quer comprar um imóvel próprio para habitar.

PAPO DE MALANDRO – FHC e seus golpes no governo, e a falsa criação de uma moeda forte – R$ – Real – Vigarista, ladrão, chefe de quadrilha criminosa, ladrão do dinheiro público, corrupto, safado – PAPO DE BANDIDO.

PAPO DE MALANDRO – FHC e seus golpes no governo, e a falsa criação de uma moeda forte – R$ – Real – Vigarista, ladrão, chefe de quadrilha criminosa, ladrão do dinheiro público, corrupto, safado – PAPO DE BANDIDO.
 
A nossa coluna Papo de Malandro – Papo de Bandido, sempre fez várias denúncias e afirmações contra esse vigarista e oportunista de plantão, ladrão do erário público, e um grande mentiroso e lesador de nossa pátria.
 
São questões bem simples. Quem quiser saber mais, faça pesquisas e confira a veracidade dos fatos e atos já narrados anteriormente, na qual, aproveito para relembrar aos cidadãos brasileiros esquecidos e ou, mal informados.
 
FHC, certamente foi o pioneiro em roubos, fraudes, propinas e todos os maus feitos contra o dinheiro do povo brasileiro, bem como, realizou negociatas quanto a venda das estatais brasileiras, a preços de banana, lesando criminosamente o Brasil.
 
EXEMPLOS DOS CRIMES PRATICADOS POR FHC e sua quadrilha:
 
1. DEU do dinheiro público, do cidadão e contribuinte brasileiro, a quantia de R$ 2,00 bilhões de reais para a Milícia armada – MST, quando o Real, por mais incrível que possa parecer, com a mágica cardosiana – FHC, valia na ocasião mais que US$ 1,00 (um dólar). 
 
Portanto foram equivalentes a bagatela de US$ 2,00 bilhões de dólares para o famigerado movimento social – guerrilheiros e baderneiros, contratados pelos governos da NOVA REPÚBLICA.
 
2. O PLANO REAL, conforme conceitos de economia contemporânea, foi um ato de MÁGICA ECONÔMICA, da mais escandalosa que o mundo experimentou, e com nossos nobres economistas, comprados para dizer amém ao famigerado plano econômico. 
 
O PLANO REAL, além de ser um plano econômico criado em laboratório criminoso de poder, foi mantido através de jogadas criminosas contra o bom senso da opinião pública, bem como, fraudando informações, dados, e mentindo sobre a “suposta estabilidade econômica da moeda ora implementada na economia brasileira”.
 
2.1 – ENTENDA COMO FOI O MIRABOLANTE PLANO REAL – R$
 
2.1.1 – A inflação no Brasil estava acima de 80% ao mês no nosso sofrido país. 
Para a realização da mágica econômica, os vigaristas de plantão, criaram um indexador, que corrigia todos os dias, os preços de produtos e serviços consumidos no Brasil. Foi chamado na época de URV – Unidade Real de Valor, e com índices acima de 86%.
 
2.1.2 – A URV era uma forma de simplificar as contas, pois imaginem mais de 85% de inflação mensal, sendo aplicada dia após dia, semana após semana, mês após mês. O número desse descontrole econômico, fiscal e irresponsável de governos, era enorme. 
 
Antes de usar as antigas práticas de cortar 3 zeros ou mais, conforme planos anteriores, a idéia genial criminosa desses bandidos, FHC um deles, seria jogar para debaixo do tapete todo o volume de recursos que rodava na nossa economia, ou seja, jogar fora literalmente e desconsiderar toda a produção, e inflação incorporada na URV. A indexação URV, foi uma articulação tendenciosa e criminosa de suposta estabilização da economia brasileira, com artifícios mágicos e irresponsáveis.
 
2.1.3 – A troca dos 86% ou mais de moeda em circulação, por uma unidade real de valor – URV = REAL = R$ = 1,00, transformou o que chamamos em engenharia, de valor unitário de valor. 
 
Com isso, FHC, jogou debaixo do tapete, dívidas do governo federal, valores oriundos do trabalho e produção nacional, e também parcela de valores inflacionados. Como eles planejaram efetivar o grande golpe monetário e econômico?
 
EMITINDO NOVA MOEDA, comprando serviços em várias casas de moeda internacionaisl.
 
2.1.4 – EMISSÃO DE NOVA MOEDA – REAL R$ – O Brasil, emitiu moeda e notas, utilizando serviços ora de nossa própria “Casa da Moeda”, bem como através de emissão em outros governos fora do Brasil. Foram estampados dinheiro em papel e moedas pelo mundo afora. Bilhões e bilhões de moedas emitidas sem nenhum lastro econômico e financeiro, sem nenhuma garantia quanto a paridade da riqueza e produção nacional, do nosso PIB, de nossas empresas, industrias, comércio, e serviços. 
 
Nesse instante, ficou até hoje uma pergunta que fiz por volta de 1993-1994, quando emitiu-se bilhões de papel moeda sem contrapartida em ouro, dólares,etc. COMO ECONOMISTAS RENOMADOS MUNDIALMENTE, E EX-PRESIDENTES DE BANCOS CENTRAIS, e conhecedores profundos de economia, não EXPLICARAM A VERDADE para a nossa população? 
 
Porque participaram dessa verdadeira FRAUDE ECONÔMICA, DESSA MENTIRA DA QUADRILHA PALACIANA, DA QUADRILHA DE FHC?
 
2.1.5 – As explicações aprendemos através de atos, atitudes e procedimentos criminosos oferecidos pelo então pilantra e vigarista FHC. Todos os grandes grupos internacionais optaram pelo silêncio, pois já sabiam de ante-mão, que iriam participar da quadrilha da venda de nossas melhores empresas públicas, empresas estatais, como a VALE do Rio Doce, USIMINAS, Cosipa, etc. 
 
Iriam comprar empresas estratégicas diante nossa soberania nacional, a preços convenientes e forjados, a preço popularmente chamados “PREÇOS DE BANANAS”. 
 
Nenhum economista se voltou contra os próprios interesses corporativos de grandes conglomerados financeiros, bancários e interesses estranhos aos legítimos interesses e soberania nacional brasileira.
 
2.2 – IMPLANTAÇÃO DA FALSA E MENTIROSA ESTABILIDADE ECONÔMICA – URV = REAL = R$ = 1,00
 
A operação, a troca da moeda antiga circulante, foi necessária para o recolhimento de todo o dinheiro que existia no modelo de trocas mercantis e econômicas (sempre é bom lembrar, que o dinheiro então circulante não era fruto apenas de irresponsabilidades governamentais e incertezas praticadas por mirabolantes planos econômicos – plano cruzado, bresser, verão, etc) tinham um bom percentual de geração de riquezas, ora oriunda do trabalho, da produção de industrias, do comércio e da prestação de serviços produzidos no período de tempo, no nosso país. 
 
A MÁGICA, a fraude e a enganação, supriram e enxugaram sem dó nem vergonha na cara, recursos legítimos da poupança nacional, das riquezas nacionais construídas pelo povo brasileiro em duas a três décadas de trabalho.
 
2.3 – O QUE FOI ROUBADO COM A IMPLANTAÇÃO DA FRAUDE ECONÔMICA DO PLANO REAL – FHC e sua quadrilha
 
Um exemplo típico, foi o “roubo” dos recursos e direitos dos contribuintes previdenciários, onde todo o dinheiro do INSS, sumiu com um passe de mágica, criminoso. 
 
Explico:
 
Quem contribuía com carnês, autônomos, empresários, prestadores de serviços, através de DECRETO LEI, realizado pelo bandido FHC, desconsiderou todos os recolhimentos realizados pelo povo trabalhador antes de 1994, OU SEJA, ROUBOU TODO O DINHEIRO POUPADO JUNTO A PREVIDÊNCIA – INSS, dos sofridos contribuintes. 
 
Apenas para informar a todos, que a arrecadação da previdência social – INSS, sempre foi a maior arrecadação do nosso país, em todos os anos antes de FHC, e depois da sua quadrilha de assalto assumir o poder.
 
ROUBANDO RECURSOS dos cidadãos brasileiros, ele de forma totalmente criminosa, conseguia o respaldo e o lastro econômico para a mentirosa estabilidade econômica, chamada de PLANO REAL.
 
2.4 – CONTINUANDO OS ROUBOS DO ERÁRIO PÚBLICO e outras maneiras de propinas e desvios, lavagem de dinheiro e assalto aos cofres das estatais e cofres públicos.
A venda e leilões praticados pelos governos federais, na ocasião, ao vender ouro por lixo, causou inimagináveis prejuízos ao patrimônio nacional brasileiro, criando e provocando propositalmente crimes de lesa à pátria brasileira. 
 
Com a privatização da Vale, e outras, com U$ 2,00 bilhões de dólares, além do dinheiro fazer lastro para garantir uma moeda de ficção, também propiciava uma outra maneira de negócios nos círculos palacianos – a propina, a fraude, o roubo, o desvio do dinheiro público.
 
MENSALÕES, PETROLÕES, ELETROLÕES foram iniciados como formas de negócios no Brasil, e FHC, teve sua participação de gala, em roubar nosso país.
 
2.5 – ENQUANTO EXISTIAM ESTATAIS INTERESSANTES AS HIENAS INTERNACIONAIS, PARA SEREM COMPRADAS A PREÇOS DE BANANA E MAIS UM ROL DE PROPINAS, ROUBOS, DESVIOS, FRAUDES, ficou institucionalizada a que hoje, em 2015, se conheceu: 
 
A CLEPTOCRACIA de FHC, LULA, DILMA e demais. 
 
Evidente, que quando em visita nos EUA, através de erro técnico da Rede Globo, em entrevista com o então Ministro da Fazenda – RECÚPERO, soltou essa “O povo que se dane…eles não sabem e nunca saberão de nada…”. Estava nos EUA, e percebi a gravidade dos atos criminosos praticados pela então quadrilha por poder e dinheiro, FHC e rol de criminosos.
 
2.6 – FHC, a pior gestão e mais corrupta quanto a que estamos assistindo em continuidade – PT – LULA, DILMA. Foram pessoas que se prestaram a praticar crimes, fraudes, mentiras, roubos do erário público e enganaram a nossa população. Nada de importante, de estratégico proporcionaram para nosso país. Apenas se aproveitaram do que existia e levaram nossas industrias ao colapso, nossas atividades econômicas ao desastre econômico, perderam milhões de empregos e empresas para tal maléfica e criminosa gestão federal, estadual e municipal.
 
2.7 – NUNCA EXISTIRAM NESSES PERÍODOS GOVERNOS COM COMPROMISSOS DE LONGO PRAZO, DE PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO – DE CUNHO ESTADISTA – Eram, são e sempre serão um bando, uma quadrilha de assalto criminosa, ao erário público, bem como, mentirosos e bandidos, ao levar nosso país para regimes ditatoriais de extrema esquerda, comunista.
 
2.8 – NÃO SE TRATA DE IMAGINAÇÃO, OU DE ANÁLISE IRRESPONSÁVEL DO QUE ACONTECEU, VEM ACONTECENDO E IRÁ ACONTECER.
Apenas, passado anos, como nossa opinião nunca foi levada a sério, por opiniões compradas, opiniões vendidas aos interesses estranhos legítimos de nossa população, porém em 2016, já mais que passou da hora de reverter, confiscar, prender, pedir ajuda a polícias internacionais para conseguir reaver os bilhões de dólares, ou trilhões de dólares roubados da nação brasileira.
 
O BRASIL DARÁ SEMPRE CERTO, QUANDO EXISTIREM NO NOSSO COMANDO, BRASILEIROS HONESTOS E VERDADEIRAMENTE COMPROMETIDOS COM O NOSSO PAÍS, E NOSSA SOBERANIA NACIONAL. AINDA TEMOS UMA GRANDE CHANCE DE MUDAR ISSO.
 
APENAS, DEPENDE DE NÓS E DOS VERDADEIROS PATRIOTAS BRASILEIROS, SEJA COM FFAA, COM LIDERANÇAS CIVIS, mas que sejam verdadeiras, sem mentiras e roubos.
 
Engº José Antonio S. Gonçalves .’.
Janeiro, 12/01/2016

PAPO DE MALANDRO – FHC e seus golpes no governo, e a falsa criação de uma moeda forte – R$ – Real – Vigarista, ladrão, chefe de quadrilha criminosa, ladrão do dinheiro público, corrupto, safado – PAPO DE BANDIDO.

PAPO DE MALANDRO – FHC e seus golpes no governo, e a falsa criação de uma moeda forte – R$ – Real – Vigarista, ladrão, chefe de quadrilha criminosa, ladrão do dinheiro público, corrupto, safado – PAPO DE BANDIDO.
 
A nossa coluna Papo de Malandro – Papo de Bandido, sempre fez várias denúncias e afirmações contra esse vigarista e oportunista de plantão, ladrão do erário público, e um grande mentiroso e lesador de nossa pátria.
 
São questões bem simples. Quem quiser saber mais, faça pesquisas e confira a veracidade dos fatos e atos já narrados anteriormente, na qual, aproveito para relembrar aos cidadãos brasileiros esquecidos e ou, mal informados.
 
FHC, certamente foi o pioneiro em roubos, fraudes, propinas e todos os maus feitos contra o dinheiro do povo brasileiro, bem como, realizou negociatas quanto a venda das estatais brasileiras, a preços de banana, lesando criminosamente o Brasil.
 
EXEMPLOS DOS CRIMES PRATICADOS POR FHC e sua quadrilha:
 
1. DEU do dinheiro público, do cidadão e contribuinte brasileiro, a quantia de R$ 2,00 bilhões de reais para a Milícia armada – MST, quando o Real, por mais incrível que possa parecer, com a mágica cardosiana – FHC, valia na ocasião mais que US$ 1,00 (um dólar). 
 
Portanto foram equivalentes a bagatela de US$ 2,00 bilhões de dólares para o famigerado movimento social – guerrilheiros e baderneiros, contratados pelos governos da NOVA REPÚBLICA.
 
2. O PLANO REAL, conforme conceitos de economia contemporânea, foi um ato de MÁGICA ECONÔMICA, da mais escandalosa que o mundo experimentou, e com nossos nobres economistas, comprados para dizer amém ao famigerado plano econômico. 
 
O PLANO REAL, além de ser um plano econômico criado em laboratório criminoso de poder, foi mantido através de jogadas criminosas contra o bom senso da opinião pública, bem como, fraudando informações, dados, e mentindo sobre a “suposta estabilidade econômica da moeda ora implementada na economia brasileira”.
 
2.1 – ENTENDA COMO FOI O MIRABOLANTE PLANO REAL – R$
 
2.1.1 – A inflação no Brasil estava acima de 80% ao mês no nosso sofrido país. 
Para a realização da mágica econômica, os vigaristas de plantão, criaram um indexador, que corrigia todos os dias, os preços de produtos e serviços consumidos no Brasil. Foi chamado na época de URV – Unidade Real de Valor, e com índices acima de 86%.
 
2.1.2 – A URV era uma forma de simplificar as contas, pois imaginem mais de 85% de inflação mensal, sendo aplicada dia após dia, semana após semana, mês após mês. O número desse descontrole econômico, fiscal e irresponsável de governos, era enorme. 
 
Antes de usar as antigas práticas de cortar 3 zeros ou mais, conforme planos anteriores, a idéia genial criminosa desses bandidos, FHC um deles, seria jogar para debaixo do tapete todo o volume de recursos que rodava na nossa economia, ou seja, jogar fora literalmente e desconsiderar toda a produção, e inflação incorporada na URV. A indexação URV, foi uma articulação tendenciosa e criminosa de suposta estabilização da economia brasileira, com artifícios mágicos e irresponsáveis.
 
2.1.3 – A troca dos 86% ou mais de moeda em circulação, por uma unidade real de valor – URV = REAL = R$ = 1,00, transformou o que chamamos em engenharia, de valor unitário de valor. 
 
Com isso, FHC, jogou debaixo do tapete, dívidas do governo federal, valores oriundos do trabalho e produção nacional, e também parcela de valores inflacionados. Como eles planejaram efetivar o grande golpe monetário e econômico?
 
EMITINDO NOVA MOEDA, comprando serviços em várias casas de moeda internacionaisl.
 
2.1.4 – EMISSÃO DE NOVA MOEDA – REAL R$ – O Brasil, emitiu moeda e notas, utilizando serviços ora de nossa própria “Casa da Moeda”, bem como através de emissão em outros governos fora do Brasil. Foram estampados dinheiro em papel e moedas pelo mundo afora. Bilhões e bilhões de moedas emitidas sem nenhum lastro econômico e financeiro, sem nenhuma garantia quanto a paridade da riqueza e produção nacional, do nosso PIB, de nossas empresas, industrias, comércio, e serviços. 
 
Nesse instante, ficou até hoje uma pergunta que fiz por volta de 1993-1994, quando emitiu-se bilhões de papel moeda sem contrapartida em ouro, dólares,etc. COMO ECONOMISTAS RENOMADOS MUNDIALMENTE, E EX-PRESIDENTES DE BANCOS CENTRAIS, e conhecedores profundos de economia, não EXPLICARAM A VERDADE para a nossa população? 
 
Porque participaram dessa verdadeira FRAUDE ECONÔMICA, DESSA MENTIRA DA QUADRILHA PALACIANA, DA QUADRILHA DE FHC?
 
2.1.5 – As explicações aprendemos através de atos, atitudes e procedimentos criminosos oferecidos pelo então pilantra e vigarista FHC. Todos os grandes grupos internacionais optaram pelo silêncio, pois já sabiam de ante-mão, que iriam participar da quadrilha da venda de nossas melhores empresas públicas, empresas estatais, como a VALE do Rio Doce, USIMINAS, Cosipa, etc. 
 
Iriam comprar empresas estratégicas diante nossa soberania nacional, a preços convenientes e forjados, a preço popularmente chamados “PREÇOS DE BANANAS”. 
 
Nenhum economista se voltou contra os próprios interesses corporativos de grandes conglomerados financeiros, bancários e interesses estranhos aos legítimos interesses e soberania nacional brasileira.
 
2.2 – IMPLANTAÇÃO DA FALSA E MENTIROSA ESTABILIDADE ECONÔMICA – URV = REAL = R$ = 1,00
 
A operação, a troca da moeda antiga circulante, foi necessária para o recolhimento de todo o dinheiro que existia no modelo de trocas mercantis e econômicas (sempre é bom lembrar, que o dinheiro então circulante não era fruto apenas de irresponsabilidades governamentais e incertezas praticadas por mirabolantes planos econômicos – plano cruzado, bresser, verão, etc) tinham um bom percentual de geração de riquezas, ora oriunda do trabalho, da produção de industrias, do comércio e da prestação de serviços produzidos no período de tempo, no nosso país. 
 
A MÁGICA, a fraude e a enganação, supriram e enxugaram sem dó nem vergonha na cara, recursos legítimos da poupança nacional, das riquezas nacionais construídas pelo povo brasileiro em duas a três décadas de trabalho.
 
2.3 – O QUE FOI ROUBADO COM A IMPLANTAÇÃO DA FRAUDE ECONÔMICA DO PLANO REAL – FHC e sua quadrilha
 
Um exemplo típico, foi o “roubo” dos recursos e direitos dos contribuintes previdenciários, onde todo o dinheiro do INSS, sumiu com um passe de mágica, criminoso. 
 
Explico:
 
Quem contribuía com carnês, autônomos, empresários, prestadores de serviços, através de DECRETO LEI, realizado pelo bandido FHC, desconsiderou todos os recolhimentos realizados pelo povo trabalhador antes de 1994, OU SEJA, ROUBOU TODO O DINHEIRO POUPADO JUNTO A PREVIDÊNCIA – INSS, dos sofridos contribuintes. 
 
Apenas para informar a todos, que a arrecadação da previdência social – INSS, sempre foi a maior arrecadação do nosso país, em todos os anos antes de FHC, e depois da sua quadrilha de assalto assumir o poder.
 
ROUBANDO RECURSOS dos cidadãos brasileiros, ele de forma totalmente criminosa, conseguia o respaldo e o lastro econômico para a mentirosa estabilidade econômica, chamada de PLANO REAL.
 
2.4 – CONTINUANDO OS ROUBOS DO ERÁRIO PÚBLICO e outras maneiras de propinas e desvios, lavagem de dinheiro e assalto aos cofres das estatais e cofres públicos.
A venda e leilões praticados pelos governos federais, na ocasião, ao vender ouro por lixo, causou inimagináveis prejuízos ao patrimônio nacional brasileiro, criando e provocando propositalmente crimes de lesa à pátria brasileira. 
 
Com a privatização da Vale, e outras, com U$ 2,00 bilhões de dólares, além do dinheiro fazer lastro para garantir uma moeda de ficção, também propiciava uma outra maneira de negócios nos círculos palacianos – a propina, a fraude, o roubo, o desvio do dinheiro público.
 
MENSALÕES, PETROLÕES, ELETROLÕES foram iniciados como formas de negócios no Brasil, e FHC, teve sua participação de gala, em roubar nosso país.
 
2.5 – ENQUANTO EXISTIAM ESTATAIS INTERESSANTES AS HIENAS INTERNACIONAIS, PARA SEREM COMPRADAS A PREÇOS DE BANANA E MAIS UM ROL DE PROPINAS, ROUBOS, DESVIOS, FRAUDES, ficou institucionalizada a que hoje, em 2015, se conheceu: 
 
A CLEPTOCRACIA de FHC, LULA, DILMA e demais. 
 
Evidente, que quando em visita nos EUA, através de erro técnico da Rede Globo, em entrevista com o então Ministro da Fazenda – RECÚPERO, soltou essa “O povo que se dane…eles não sabem e nunca saberão de nada…”. Estava nos EUA, e percebi a gravidade dos atos criminosos praticados pela então quadrilha por poder e dinheiro, FHC e rol de criminosos.
 
2.6 – FHC, a pior gestão e mais corrupta quanto a que estamos assistindo em continuidade – PT – LULA, DILMA. Foram pessoas que se prestaram a praticar crimes, fraudes, mentiras, roubos do erário público e enganaram a nossa população. Nada de importante, de estratégico proporcionaram para nosso país. Apenas se aproveitaram do que existia e levaram nossas industrias ao colapso, nossas atividades econômicas ao desastre econômico, perderam milhões de empregos e empresas para tal maléfica e criminosa gestão federal, estadual e municipal.
 
2.7 – NUNCA EXISTIRAM NESSES PERÍODOS GOVERNOS COM COMPROMISSOS DE LONGO PRAZO, DE PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO – DE CUNHO ESTADISTA – Eram, são e sempre serão um bando, uma quadrilha de assalto criminosa, ao erário público, bem como, mentirosos e bandidos, ao levar nosso país para regimes ditatoriais de extrema esquerda, comunista.
 
2.8 – NÃO SE TRATA DE IMAGINAÇÃO, OU DE ANÁLISE IRRESPONSÁVEL DO QUE ACONTECEU, VEM ACONTECENDO E IRÁ ACONTECER.
Apenas, passado anos, como nossa opinião nunca foi levada a sério, por opiniões compradas, opiniões vendidas aos interesses estranhos legítimos de nossa população, porém em 2016, já mais que passou da hora de reverter, confiscar, prender, pedir ajuda a polícias internacionais para conseguir reaver os bilhões de dólares, ou trilhões de dólares roubados da nação brasileira.
 
O BRASIL DARÁ SEMPRE CERTO, QUANDO EXISTIREM NO NOSSO COMANDO, BRASILEIROS HONESTOS E VERDADEIRAMENTE COMPROMETIDOS COM O NOSSO PAÍS, E NOSSA SOBERANIA NACIONAL. AINDA TEMOS UMA GRANDE CHANCE DE MUDAR ISSO.
 
APENAS, DEPENDE DE NÓS E DOS VERDADEIROS PATRIOTAS BRASILEIROS, SEJA COM FFAA, COM LIDERANÇAS CIVIS, mas que sejam verdadeiras, sem mentiras e roubos.
 
Engº José Antonio S. Gonçalves .’.
Janeiro, 12/01/2016

Cinco construtoras abandonaram obras licitadas em 2015 – Ribeirão Preto, Interior Estado São Paulo

Fonte: Cinco construtoras abandonaram obras licitadas em 2015 – Ribeirão Preto, Interior Estado São Paulo

Aumento nos valores das matérias primas utilizadas pelas empresas contribuíram para as desistências

00h34 | 11/01/2016
Jornal A Cidade / Wesley Alcantara

Contrato para tapa-buracos foi rescindido em 2015

Além das divergências políticas no governo da prefeita Dárcy Vera (PSD), o cenário econômico brasileiro desfavorável em 2015 fez com que construtoras simplesmente abandonassem obras públicas pela metade em Ribeirão Preto.

Cinco construtoras tiveram seus contratos rescindidos porque não conseguiram dar cumprimento aos serviços orçados em pouco mais de R$ 15 milhões (leia mais abaixo). Todos os termos de recisão foram divulgados no Diário Oficial do Município.

Segundo o secretário de Obras, Abranche Fuad Abdo, o ano foi “complicadíssimo” porque o município não teve condições de entregar à população os serviços públicos. Ele é bastante pessimista em relação ao futuro: “Ainda vamos enfrentar muitas complicações pela frente”, diz.

Uma das construtoras a terem seu contrato rescindido por abandono da obra foi a Spel Engenharia, que venceu licitação no valor de R$ 11,3 milhões para realizar a recuperação da malha asfáltica. A advogada da Spel, Nidiamara Gandolfi, nega que a empresa tenha abandonado o serviço e diz que o valor a ser pago pela prefeitura ficou defasado por conta do aumento da inflação, o que impactou nos valores dos insumos (leia mais abaixo).

Segundo Abranche, o proprietário da Spel chegou a ser avisado de que o valor que ele propôs na licitação era muito baixo. “Agora, o que ele fez, ele abandonou a obra. A prefeitura teve que cancelar o contrato e fazer uma nova licitação”, diz.

Para o secretário, muitas construtoras, numa estratégia para vencer a licitação, começam a dar descontos no valor da obra. “Elas fazem isso e depois não conseguem arcar com o custo e abandonam a obra. Como é licitação, a gente não pode escolher a construtora.”

A inflação em alta fez com que o valor da matéria-prima para a execução de uma obra pública ficasse muito caro. Pelo mesmo motivo da Spel, a DGB Engenharia abandonou o serviço de pavimentação asfáltica na avenida Alfredo Ravanelli (Estrada do Piripau).

A prefeitura também confirmou a rescisão do contrato com a MGRV por não realizar as galerias de águas pluviais da Rua Adalberto Pajuaba.

Infográficos/A Cidade

Lista dos contratos que foram encerrados em 2015

Centro Médico

Entre as obras que chegaram a ficar enroscadas esteve a do Centro Médico Vila Lobato, na zona Oeste de Ribeirão, que ficou quatro anos e três meses fechado para reformas. A Prefeitura de Ribeirão Preto conseguiu concluir e inaugurá-lo em abril do ano passado.

O atraso na entrega, porém, resultou em um gasto extra: do R$ 1,222 milhão previsto inicialmente, o projeto saltou para R$ 1,54 milhão.

As obras começaram em janeiro de 2011 e tinham previsão inicial de conclusão em um ano. No entanto, desde 2013 a prefeitura fez pelo menos quatro adiamentos.

Além de problemas na execução da obra, como uma laje que não estava no contrato de reforma, foi necessário um reajuste no valor e, consequentemente, no tempo.

A construtora Capeme chegou a abandonar a obra sem justa causa e teve o contrato rescindido, além de ter ficado impedida de contratar com a administração municipal pelos próximos 12 meses, a partir do dia 20 de fevereiro de 2015. (Colaboração: Samuel Prisco)

OUTRO LADO

Inflação prejudicou

Sobre as obras de recuperação de vias públicas, a advogada da Spel, Nidiamara Gandolfi, afirma que a construtora não abandonou a obra. “Logo após a assinatura do contrato, houve aumento no valor dos insumos por conta da alta da inflação. A empresa pediu o reequilíbrio financeiro do contrato por três vezes, além dos pedidos de reconsideração, o que a prefeitura negou por diversas vezes”, afirmou.

Segundo ela, a empresa passou a sofrer prejuízos e a ficar sem lucro, tendo que usar recursos próprios para realizar a obra. “Tudo ficou muito caro: os insumos do asfalto, gás, energia elétrica, mão de obra e transporte. Buscamos a negociação a todo o momento”, afirmou.

A Cidade não conseguiu contato com as outras construtoras que tiveram contratos rescindidos para comentar o assunto: Capeme, Prime, DGB Engenharia e MGRV.

Cinco construtoras abandonaram obras licitadas em 2015 – Ribeirão Preto, Interior Estado São Paulo

Aumento nos valores das matérias primas utilizadas pelas empresas contribuíram para as desistências

00h34 | 11/01/2016
Jornal A Cidade / Wesley Alcantara

 

Contrato para tapa-buracos foi rescindido em 2015 (Foto: Matheus Urenha/A Cidade)

Além das divergências políticas no governo da prefeita Dárcy Vera (PSD), o cenário econômico brasileiro desfavorável em 2015 fez com que construtoras simplesmente abandonassem obras públicas pela metade em Ribeirão Preto.

Cinco construtoras tiveram seus contratos rescindidos porque não conseguiram dar cumprimento aos serviços orçados em pouco mais de R$ 15 milhões (leia mais abaixo). Todos os termos de recisão foram divulgados no Diário Oficial do Município.

Segundo o secretário de Obras, Abranche Fuad Abdo, o ano foi “complicadíssimo” porque o município não teve condições de entregar à população os serviços públicos. Ele é bastante pessimista em relação ao futuro: “Ainda vamos enfrentar muitas complicações pela frente”, diz.

Uma das construtoras a terem seu contrato rescindido por abandono da obra foi a Spel Engenharia, que venceu licitação no valor de R$ 11,3 milhões para realizar a recuperação da malha asfáltica. A advogada da Spel, Nidiamara Gandolfi, nega que a empresa tenha abandonado o serviço e diz que o valor a ser pago pela prefeitura ficou defasado por conta do aumento da inflação, o que impactou nos valores dos insumos (leia mais abaixo).

Segundo Abranche, o proprietário da Spel chegou a ser avisado de que o valor que ele propôs na licitação era muito baixo. “Agora, o que ele fez, ele abandonou a obra. A prefeitura teve que cancelar o contrato e fazer uma nova licitação”, diz.

Para o secretário, muitas construtoras, numa estratégia para vencer a licitação, começam a dar descontos no valor da obra. “Elas fazem isso e depois não conseguem arcar com o custo e abandonam a obra. Como é licitação, a gente não pode escolher a construtora.”

A inflação em alta fez com que o valor da matéria-prima para a execução de uma obra pública ficasse muito caro. Pelo mesmo motivo da Spel, a DGB Engenharia abandonou o serviço de pavimentação asfáltica na avenida Alfredo Ravanelli (Estrada do Piripau).

A prefeitura também confirmou a rescisão do contrato com a MGRV por não realizar as galerias de águas pluviais da Rua Adalberto Pajuaba.

Infográficos/A Cidade

Lista dos contratos que foram encerrados em 2015

Centro Médico

Entre as obras que chegaram a ficar enroscadas esteve a do Centro Médico Vila Lobato, na zona Oeste de Ribeirão, que ficou quatro anos e três meses fechado para reformas. A Prefeitura de Ribeirão Preto conseguiu concluir e inaugurá-lo em abril do ano passado.

O atraso na entrega, porém, resultou em um gasto extra: do R$ 1,222 milhão previsto inicialmente, o projeto saltou para R$ 1,54 milhão.

As obras começaram em janeiro de 2011 e tinham previsão inicial de conclusão em um ano. No entanto, desde 2013 a prefeitura fez pelo menos quatro adiamentos.

Além de problemas na execução da obra, como uma laje que não estava no contrato de reforma, foi necessário um reajuste no valor e, consequentemente, no tempo.

A construtora Capeme chegou a abandonar a obra sem justa causa e teve o contrato rescindido, além de ter ficado impedida de contratar com a administração municipal pelos próximos 12 meses, a partir do dia 20 de fevereiro de 2015. (Colaboração: Samuel Prisco)

OUTRO LADO

Inflação prejudicou

Sobre as obras de recuperação de vias públicas, a advogada da Spel, Nidiamara Gandolfi, afirma que a construtora não abandonou a obra. “Logo após a assinatura do contrato, houve aumento no valor dos insumos por conta da alta da inflação. A empresa pediu o reequilíbrio financeiro do contrato por três vezes, além dos pedidos de reconsideração, o que a prefeitura negou por diversas vezes”, afirmou.

Segundo ela, a empresa passou a sofrer prejuízos e a ficar sem lucro, tendo que usar recursos próprios para realizar a obra. “Tudo ficou muito caro: os insumos do asfalto, gás, energia elétrica, mão de obra e transporte. Buscamos a negociação a todo o momento”, afirmou.

A Cidade não conseguiu contato com as outras construtoras que tiveram contratos rescindidos para comentar o assunto: Capeme, Prime, DGB Engenharia e MGRV.